terça-feira, 30 de setembro de 2014

O Orkut ficará para a eternindade

A rede social que mudou a vida de muita gente, hoje entrou para a eternidade. Oficialmente já não está mais no ar. 

Se você entrar no endereço da página irá encontrar somente os arquivos de sua comunidade.




Fica à todos, as lembranças das comunidades bizarras, dos scraps luminosos, dos depoimentos, de quanto você era sexy e outras coisas mais. Descanse e aproveite bem a aposentadoria Orkut.




segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Homer Simpson é Corinthiano




O Corinthians ganhou mais um torcedor ilustre: Homer Simpson. O famoso personagem, junto a todos os outros da famosa série americana, serão anunciados nesta segunda-feira como os mais novos representantes do clube pelo mundo.

A agremiação fechou acordo com a distribuidora 20th Century Fox e poderá explorar a marca de Os Simpsons daqui em diante. O gerente de marketing do clube, Alexandre Ferreira, confirmou a informação ao ESPN.com.br neste domingo.

Com isso, o time do Parque São Jorge se une a Barcelona, Zenit, Chelsea e Boca Juniors, outros clubes do planeta que possuem contrato de licenciamento com a rede americana, uma iniciativa dos criadores da série para celebrar o 25º aniversário do desenho animado.

Pelo acordo firmado, o Corinthians poderá comercializar produtos com os personagens da série Os Simpsons em suas lojas oficiais. De acordo com o gerente de marketing Alexandre Ferreira, o clube deve divulgar um release nesta segunda-feira com maiores detalhes sobre a negociação, que vinha desde o ano passado.

A parceria da Fox com os clubes de futebol visa promover o famoso seriado, que completa 25 anos em 2014. Os Simpsons é considerada uma das séries de maior sucesso da televisão em todos os tempos e entrou neste domingo em sua 26ª temporada. Desde sua estreia, em dezembro de 1989, já foram exibidos quase 600 episódios.

Fonte: ESPN.com.br

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

10 fatos sobre escolas ao longo da história

Hoje, a educação é altamente regulamentada em vários países. Há alguns objetivos que os alunos devem alcançar, seja ele através de testes ou através da avaliação diária. Porém, nem sempre o modelo que conhecemos de escola foi assim.

De fatos absurdos a situações que ainda hoje é servida como modelo que este blog, em mais uma postagem especial, lhe apresenta 10 fatos sobre as escolas e a educação que certamente vai fazer você ficar feliz por tudo ter mudado desde então. Acompanhe:

10 - St. Augustinho e as Primeiras Escolas Britânicas




O modelo que conhecemos de escola hoje, liderada pela figura do professor e sendo lugar de aprendizagem moderna surgiu na Grã-Bretanha por volta do ano de 597. Elas foram fundadas por Santo Agostinho, por isso elas eram de natureza religiosa.
O principal objetivo das primeiras escolas era ter certeza de que as pessoas fossem educadas para liderar uma congregação em oração e canção. Ou seja, Santo Agostinho fundou dois tipos diferentes de escolas: a escola de música e a escola de gramática.
Na escola de música, era tudo muito bonito, era um lugar onde os não-clérigos eram enviados  para aprender todas as músicas que eles precisavam saber para cantar no coro. Na de gramática, por outro lado, não era igual das que conhecemos agora. Naquele tempo, primeiro se ensinava latim ao clero e posteriormente foi expandido para incluir ao ensino uma variedade de temas, como a lógica, a astronomia e a música, para não apenas clérigos, mas também para os trabalhadores civis.
Um dos maiores problemas que as escolas e seus superintendentes cristãos enfrentaram na época, era ensinar o clero a ler.

9- A Punição Corporal




O apoio ao castigo corporal é mencionado na Bíblia em Provérbios 29:15 - "A vara da correção dá sabedoria, mas a criança entregue a si mesma envergonha a sua mãe."
Essa passagem era algo que Thomas Hopley acreditava e levou ao pé da letra quando castigou seu aluno até a morte em 1860.
Reginald Channell Cancellor era um estudante em Eastbourne que foi encontrado morto em sua cama em uma determinada manhã. Estava completamente vestido e seu professor afirmou que ele havia sofrido um ataque cardíaco no meio da noite, fazendo um enterro às pressas.
Porém a história começou a vir à tona quando servos afirmaram ter ouvido gritos e quando viram lençóis cobertos de sangue sendo retirados do quarto. Em vez de declarar a morte acidental, os médicos olharam ainda mais e descobriram que o menino tinha sido espancado de tal maneira que suas pernas tinham sido reduzidos a "geléia".
O testemunhos dos funcionários apontou para Hopley como um suspeito. Descobriu-se então que ele havia passado várias horas durante a noite batendo no menino e depois sua esposa tentou encobrir a bagunça.
De acordo com o depoimento de Hopley, ele estava cansado da preguiça do menino que custava a aprender e aplicou o que ele chamou de "castigo razoável", reforçado pela ideia de que o próprio pai de Cancellor havia autorizado qualquer coisa para o menino cooperar com a escola. Porém nada disso foi suficiente e Hopley foi considerado culpado e condenado a quatro anos de prisão.
Essa sentença, estabeleceu um precedente que iria durar mais um século que dizia que era aceitável usar castigo físico, porém de forma moderada.

8 - Os Meninos da Casa Branca




Em 1900 foi aberto um reformatório na Florida. Desde sua criação e principalmente nas décadas de 50 e 60 a escola foi rodeada de histórias terríveis de abuso. Ex residentes se lembram dos espancamentos que sofriam, das agressões e de até morte quando as punições iam longe demais.
De acordo com registros da escola, 31 estudantes morreram durante a sua estadia no reformatório. Mas depois que a escola fechou em 2011, apos uma escavação foram encontrados 55 corpos enterrados no local. Muitos nunca foram identificados e os restos mortais foram enviados para testes de DNA.
Em 2009, um grupo de sobreviventes da escola denominados "meninos da casa branca" entraram com uma ação coletiva contra o Estado por negligência enfrentando alguns dos homens que haviam praticado os abusos. Porém os homens mentiram e o processo falhou.

7 - Aprendizagens Medievais




O trabalho era muito mais importante do que a educação formal, na Idade Média, portanto, as crianças e os adolescentes eram frequentemente enviados para serem aprendizes de comerciantes. Era uma espécie de escola de formação profissional medieval, só que os estudantes não podiam escolher o curso que iriam frequentar.
O contrato entre o aprendiz e o seu mestre, muitas vezes se destacava por ser um relacionamento bastante unilateral, detalhando somente como o mestre iria ensinar o aprendiz e fornecer-lhe comida, e o aprendiz por sua vez, não discutiria, nem mentiria, nem roubaria, nem sairia sem permissão, ou procuraria por melhores salários em outros lugares. Porém havia também uma certa dose de disciplina abusiva que fazia sempre serem questionados como os metres poderiam tratar melhor seus aprendizes.
Inúmeras cartas que foram escritas entre pais e filhos ainda existem, e dão muitos detalhes de uma vida sombria onde as crianças relatam que eles não passavam de escravos, e que realmente não aprendiam qualquer coisa, mas sim eram forçados a outras tarefas domésticas. Muitos temiam serem expostos às pragas, enquanto outros relataram casos de estupro e outras formas extremas de abuso.

6 - A Escola Nazista de Educação




A educação nas escolas foram de extrema importância na Alemanha Nazista. Quando Bernhard Rust foi nomeado Ministro da Educação, ele reformulou grande parte do sistema educacional. Não era de surpreender que, com essa reformulação, veio uma mudança imparcial na aprendizagem visando a propaganda nazista.
Livros didáticos foram reescritos, enfatizando e colocando ideais nazistas a tal ponto que até mesmo livros ilustrados foram reescritos para se certificar de que o mais novos crescessem pensando que estava tudo bem em odiar os judeus.
Livros de biologia foram escritos para ensinar aos alunos as diferenças físicas entre a raça ariana e as outras raças, menores. A Matemática foi ensinada em um contexto militar, e havia limites estritos impostos sobre as universidades quanto ao número de alunos do sexo feminino que eles poderiam admitir.
Foi formada uma Associação de Professores Nazistas e quem era judeu era demitido do cargo. Os que ficavam, eram vigiados para saberem como que tratavam os alunos e se o currículo era aceito ou se havia alguma contradição sobre as doutrinas nazistas. Praticamente as escolas mudaram em todos os aspectos.

5 - As Controvérsias das Férias de Verão




As férias de verão é algo muito recente, foi somente no final do século XIX que as escolas foram formalizadas, monitoradas e submetidas a um regulamento nos Estados Unidos e com esse regulamento veio também as férias de verão.
Como as pessoas nunca estão satisfeitas com nada, houve uma certa controvérsia sobre ter ou não ter as férias e se eram realmente uma coisa boa. Devido a muitas variáveis, é difícil termos certeza se é algo bom ou ruim.
Em alguns casos, pesquisas dizem que o atendimento durante todo o ano faz uma diferença enorme para os alunos que tem mais dificuldade, mas um outro estudo que contou com 345 mil estudantes da Carolina do Norte mostrou que não houve diferença real nas notas entre aqueles que tiveram seus verões livres e aqueles que estudaram durante todo o ano.
Uma das maiores preocupações é a ruptura de aula no período do verão que leva os estudantes a esquecerem muito do que aprenderam, o que significa que há uma enorme quantidade de tempo perdido a ser gasto nas escolas.

4 - Escola de Gladiadores




Quando as pessoas pensam em Gladiadores, logo relacionam a Roma. No entanto, eles não eram somente populares em Roma, como afirma uma recente descoberta de uma escola de gladiadores na Áustria.
A instituição que abrigava pouco mais de 80 pessoas, era nada mais nada menos do que uma espécie de escola prisão. Um complexo que foi claramente projetado para treinar gladiadores durante todo o ano e ainda tinha os pisos aquecidos para se praticar inclusive no inverno.
Quando não estavam treinando no pátio principal, os gladiadores tinham acesso a uma espécie de casa de banho para ficarem confinados.
Entre outras curiosidades, a escola possuía também um cemitério, embora o ponto forte do gladiador era lutar para não morrer.

3 - Tiros na Escola de Altona



A violência nas escolas não é nada novo. Há muitos casos documentados de alunos que levaram armas para a escola e de usa-las em pleno século XVI. Infelizmente massacres em escolas viraram marcas sangrentas no panorama escolar. 
Há um exemplo particularmente ímpar de uma história de violência escolar cheia de contradições, mortes e um improvável perdão. Em 9 de Outubro de 1902 uma professora em Altona região do Canadá atirou em vários colegas de trabalho antes de voltar para a sala de aula. Na sala escolheu três jovens que pertenciam a famílias que lhe irritavam e de alguma forma atirou nos três também. Estranhamente o caso não repercutiu na imprensa da época. 

2 - Ladies Steamboat



No início de 1900, a ideia de mulheres em um ambiente universitário era algo novo para alguns, estranho para outros e absolutamente horrível para todo mundo. Um professor da Universidade de Oxford chamado John William Burgon chegou a dizer que a mulher era inferior perante a Deus. Apesar do ocorrido, mais e mais pessoas começaram a ficar abertos a ideia de mulheres na escola, porém entre 1904 e 1907 os votos populares nas Universidades de Oxford e Cambridge não permitiam que mulheres ganhassem títulos mesmo que tivessem concluídos os mesmos trabalhos do que os alunos do sexo masculino.
Mas, durante um período de três anos mais de 700 mulheres conhecidas como Ladies Steamboat entravam em um barco a vapor e se dirigiam para o Trinity College em Dublin. Embora soubessem que a sociedade não deixariam elas terem o diploma, a universidade lhe concedeu os diplomas a essas mulheres que enfrentavam uma viagem longa. Muitas dessas mulheres continuaram e conseguiram alcançar a fama.

1 -  A Palmatória 



Os castigos corporais não é algo inédito neste artigo, mas na Escócia muitos dos professores tinham uma arma preferida para disciplinar no século XX. A arma era chamada de tawse que era uma espécie de palmatória feita de um longo pedaço de couro e que tinha três divisões no final, uma espécie de cílios. Muitos professores da época solicitavam os modelos que tinham formas mais arredondadas nas pontas para evitar tirar qualquer tipo de sangue da criança.
Havia até orientações para o seu uso, que era de exclusividade para apenas crimes considerados graves e que as meninas não poderiam ser atingidas, e os alunos deveriam ter um aviso verbal antes de receber uma surra. O mais bizarro era que o uso do tawse era feito de forma legalizada nas escolas do Reino Unido e só foi tornada ilegal nas escolas particulares somente no ano de 1998.


Ainda bem que muitas das coisas relatadas aqui não são mais usadas.

Fonte - listverse


quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Os 32 consoles da Nintendo


A Nintendo completou 125 anos nessa última semana e inúmeros sites especialista prestaram homenagem a empresa que dedicou apenas 37 anos aos videogames.

O colecionador Cleidson Lima, que é curador do Museu do Videogame, em parceria com o site Olhar Digital resgatou grande parte dos consoles lançados pela empresa no Japão e no mundo em quase quatro décadas. 

O resultado vemos abaixo:


Color TV-Game 6 . 1977




Quem pensa que o primeiro videogame lançado pela Nintendo foi o conhecido Nintendinho 8 bits, está totalmente enganado. Bem antes disso, em 1977, a empresa anunciou no Japão o TV-Game 6, modelo CTG-6V. Ele não passava de mais um Pong, só que com seis jogos coloridos na memória. Na verdade eram só três jogos ( handball, tennis e hockey), mas eles anunciavam dobrado porque eles podiam ser jogados por um ou dois jogadores ao mesmo tempo. Vendeu mais de 1 milhão de unidades. Há versões nas cores amarela e laranja.


Color TV-Game 15 . 1977 




O Color TV Game 15, lançado pela Nintendo em 1977, era uma evolução do Color TV Game 6. A diferença eram os 15 jogos coloridos variantes do pong e os controles que podiam ser destacados do console. Foram lançadas versões nas cores amarela, branca e laranja.


Block Kuzushi . 1978 




Embora não tenha sido o pioneiro, o Block Kuzushi, lançado em 1978 no Japão, foi o primeiro a estampar a logomarca da Nintendo. Na época nem dava para imaginar que seria uma potência no futuro. Ele trazia apenas um jogo: uma versão parecida com Breakout e, mesmo assim, fez sucesso e vendeu mais de 400 mil unidades no Japão.


Color TV Game Racing . 1978 




O visual do Nintendo Color TV Game Racing, lançado em 1978, no Japão, já deixava claro o seu objetivo. O seu volante era para controlar o carrinho em uma das 112 combinações de jogos coloridos de corrida. Dois controles destacados, com botões giratórios, permitiam disputas entre dois jogadores.


Game & Watch . 1980 




Os consoles da série Game & Watch foram talvez os principais responsáveis pelo sucesso da Nintendo no mundo dos portáteis e os percussores do Game Boy. Lançados em 1980, foram quase 60 aparelhos divididos em dez séries: Silver (1980); Gold (1981); Multi Screen (1982–1989); Tabletop (1983); Panorama (1983–1984); New Wide Screen (1982–1991); Super Color (1984); Micro Vs. System (1984); Crystal Screen (1986) e Nintendo Mini Classics (1998). 


Nintendo Famicom . 1983




Lançado no Japão em 1983, o Nintendo Famicom é uma abreviação de Family Computer (Computador da Família). Ele era relativamente pequeno se comparado ao Atari e vinha nas cores branca e vermelha, o que o tornava muito parecido com um brinquedo. Por dentro, no entanto, seu poder de fogo era muito maior que os consoles disponíveis no mercado. Ele vinha com processador de 8 bits Motorola 6502, com velocidade de 1,79 MHz, 64 kb de RAM, 2 Kb de VRAM, cinco canais de áudio e resolução de 256 x 254 pixels. Isso garantia gráficos muito melhores que dos concorrentes.



NES - Nintendo Entertainment System . 1985 





Com o sucesso no Japão, a Nintendo lançou nos Estados Unidos, em 1985, o NES - Nintendo Entertainment System. Conhecido como Nintendinho 8 bits, esse console chegou em uma época na qual o mercado norte-americano ainda sofria o crash dos consoles de videogames e uma rápida ascensão dos computadores também como equipamentos para games. Por isso, não foi fácil convencer o público. Por fora, era bem diferente do seu irmão japonês; por dentro, no entanto, era praticamente idêntico, só mudando o número de trilhas para os cartuchos. Tornou-se um dos mais bem sucedidos consoles da história e um dos mais clonados do mundo.


Game Boy . 1989




O Game Boy surgiu em 1989 com tela de cristal líquido monocromática de fundo verde, jogos em preto e branco, gráficos em 8-Bit e possibilidade de ser jogado por mais de uma pessoa, utilizando o Cabo Game Link. Era acompanhado com o jogo Tetris e foi fabricado entre 1989 e 1995. Apesar da limitação tecnológica, foi um dos portáteis mais vendidos da história, pois era barato, tinha muitos jogos e funcionava por muito tempo com apenas duas pilhas AA.


Super Famicom . 1990




Com visual mais moderninho para a época, o Super Famicom foi lançado no Japão em 1990 para deter o crescimento do Mega Drive e do PC Engine. Embora menos potente que o rival da Sega, ele compensava a deficiência pela grande quantidade de jogos e sequências de títulos já consagrados no NES. Os controles com seis botões (quatro frontais e dois nos ombros) foram um dos diferenciais. A Nintendo lançou o console na europa com o mesmo visual, mas utilizou o nome Super Nintendo. 


Super Nintendo . 1991




Com visual quadradão, o SNES - Super Nintendo Entertainment System, sucessor do Nintendinho 8 bits, era idêntico internamente ao Super Famicom. Nos Estados Unidos, foi lançado em 1991 e, aqui no Brasil, em 1993. Utilizava cartuchos também quadradões. Por meio de adaptador, era possível usar cartuchos japoneses, que eram menores e tinham cantos arredondados. Na parte traseira, trazia conexões RF e Multi OUT, pela qual era possível conectar nas entradas de áudio e vídeo. 


Famicom AV . 1993




O Famicom AV ( HVC-101) foi uma evolução do Famicom japonês. Por dentro, ainda continuava o bom e velho console 8 bits; por fora, no entanto, teve muitas mudanças do design, seu tamanho foi reduzido pela metade e a entrada de cartuchos passou a ficar em cima, em vez de frontal. NES


Toploader . 1993




Embora tenha o controle parecido com o do Super Nintendo, o NES Toploader (NES-101) era, na verdade, um Nintendinho 8 bits lançado quase 10 anos depois da primeira versão. Ele aceitava cartuchos padrão 72 pinos. Além disso, ele vinha apenas com saída RF e os controles, muito parecidos com o do SNES, ganharam apelido de dog bone (osso de cachorro). Este console é quase igual ao modelo japonês, Famicom AV.


Virtual Boy. 1995




Este foi o primeiro console portátil" de 32 bits e 3D da história. Por dentro, ele trazia processador NEC V810 RISC de 32 bits 20 MHz e duas telas LCD que geravam imagens monocromáticas em vermelho. O efeito de três dimensões era possível a um sistema de vibração de espelhos. O controle foi projetado para ser usado por destros e canhotos. O console causava tonturas, enjoos e dor no pescoço para quem jogasse por muito tempo. Foi um fracasso nas vendas e isso o torna um item valioso para os colecionadores.


Nintendo 64 . 1996




O Nintendo 64 foi um bom videogame, lançado às pressas, em 1996, com apenas três jogos: Super Mario 64, Wave Race 64 e PilotWings 64. Foi o último console doméstico a fazer uso de cartuchos de memória ROM, enquanto as concorrentes utilizavam CD-ROM nos seus consoles. Uma das atrações era o controle, que trazia uma boa empunhadura e vinha com uma alavanca direcional analógica no centro. Atrás, tinha entrada para acessórios.


Game Boy Pocket . 1996




Em 1996, surgiu o Game Boy Pocket , 30% menor que o Game Boy e tela monocromática cinza e não mais esverdeada, trazendo melhor definição. Funcionava com 2 pilhas AAA, possibilitando que o jogo coubesse na palma da mão, mantendo o mesmo tamanho de tela, porém com mais brilho e nitidez. Tinha o mesmo chip e aceitava os mesmos jogos. 


SNES Baby . 1997




Conhecido como Snes Baby, Snes 2, Snes Jr. ou Snes Mini, essa nova versão do Super Nintendo era mais compacta, trazia apenas um tipo de saída de vídeo (alguns multi OUT e outros RF) e era compatível com todos os jogos lançados para a primeira versão (SNS-001). O grande diferencial é que o console custava US$ 99,00, o que era uma boa pedida para quem não podia pagar o equivalente a US$ 250,00 nos Estados Unidos pelo Nintendo 64. No Brasil, a Gradiente utilizou o modelo com saída RF.


Game Boy Light . 1997




O Game Boy Light, lançado em 1997, no Japão, tinha alguns milímetros a mais do que o Game Boy Pocket, só que com um adicional: a tela tinha iluminação, o que era uma novidade em se tratando de Game Boy, pois possibilitava jogar no escuro. Mesmo compacto, utilizava pilhas AA, enquanto o Pocket usava pilhas AAA. O legal é que ele aceitava todos os jogos do Game Boy e Game Boy Pocket, com a vantagem de ser iluminado. 


Game Boy Color . 1998




Em 1998, surge o Game Boy Color, com tela colorida e capacidade de reproduzir os antigos jogos Game Boys. Sua nova tecnologia trouxe uma tela LCD reflexiva com baixo consumo de energia e transmissão de dados por infra-vermelho em jogos compatíveis. Ele gerava até 52 cores e tinha capacidade de processamento duplicado, o que melhorava o sistema de adaptação dos gráficos dos jogos antigos.


Game Boy Advance . 2001 



Em 2001, a Nintendo inova com o Game Boy Advance. Ele foi criado usando duas CPUs e com tela de 2.9"; em uma resolução de 240 x 160 pixels e paleta com 32.000 cores. O console tinha formato horizontal e recebeu a adição dos botões L e R. A energia era obtida por meio de duas pilhas AA. Permitia conexão com 4 jogadores e GameCube. Era compatível com todos os jogos anteriores de Game Boy e Game Boy Color. 


Game Cube . 2001




Lançado em 2001 no Japão, o Game Cube foi o sucessor do N64. Com visual diferenciado e resistente, o console destacava-se dos demais por utilizar mini DVD, em vez de discos do tamanho normal, a fim de evitar a pirataria. O Game Cube primeiramente vinha em 3 cores: preto, azul e prata. Mais tarde, no entanto, foram lançadas dezenas de versões em várias cores. Tinha entrada para quatro controles que, aliás, tinham uma das melhores ergonomias do mercado na época. Só não foi bem nas vendas porque era caro se comparado com o Playstation 2 e dificultava muito a pirataria. 


Game Boy Advance SP . 2003




Em 2003, foi lançado o Game Boy Advance SP, que pesava apenas 142 gramas. Tinha iluminação própria e bateria com duração de 10 horas. Era compatível com jogos do Game Boy e Game Boy Color. Este novo GBA apresentava um novo design com formato de concha, no qual a tela é dobrada sobre os botões, dependendo da versão tinha frontlight ou backlight e era possível girar a tela 180º.


Nintendo DS . 2004




Em 2004, a Nintendo apresentou seu novo portátil: o Nintendo DS. O novo console contava com um design “abre e fecha” e a presença de duas telas, sendo uma delas sensível ao toque. O sistema permitia uma conexão sem fio (Wireless local ou Nintendo Wi-fi Connection) e era até capaz de executar homebrews como mensageiros, leitor de-books e organizadores a partir de um flash card. Oficialmente, havia compatibilidade com os cartuchos de GBA.


Game Boy Micro . 2005




No ano de 2005, a Nintendo lançou o Game Boy Micro, que possui a mesma tecnologia do Game Boy Advance, mas remodelado com linhas futuristas, frente destacável e tela menor, mas bem nítida e iluminada.O Game Boy Micro também tinha uma alavanca de dois lados na parte direita para ajustar o volume para cima ou para baixo. Era compatível com jogos do GBA, mas não do Game Boy e Game Boy Color. 


Nintendo Wii . 2006




O Nintendo Wii, lançado em 2006, é um marco na indústria de games, inaugurando a geração movimento. O maior diferencial era o Wiimote, um controle sem fio que exige do jogador mexer os braços para interagir no jogo. A tecnologia fez com que os concorrentes tivessem que se mexer, criando suas próprias soluções de movimento, como PS Move e Kinect. O Wii roda jogos por meio de um tipo de DVD, mas também é capaz de executar games dos seus antecessores a partir de um serviço on-line onde o jogador pode baixá-los.


Nintendo DS Lite . 2006




O Nintendo DS Lite, lançado em 2006, é mais leve que o DS, tem três níveis de intensidade de luz, a caneta fica abaixo  do Power dando uma acessibilidade melhor do que no DS, onde a caneta ficava na parte traseira do portátil. Seu microfone é direcionado entre as duas telas, a bateria é mais eficiente do que a anterior e algumas outras características.


Nintendo DSi . 2008




O Nintendo Dsi, lançado em 2008, chegou com novos recursos em relação ao DS Lite, como duas câmeras (uma dianteira e outra traseira), um microfone e diversas outras funções que permitiam aos usuários criar conteúdo e compartilhá-lo com outras pessoas. A bateria do Dsi, no entanto, durava de 9 a 14 horas, sendo que a do Lite durava de 15 a 19 horas.


Nintendo DSi XL . 2009




O Nintendo DSi XL, lançado em 2009, tinha uma tela de 4,2 polegadas na diagonal, enquanto o DSI tem 3,25. A Dsi XL, como qualquer outro DS, inclui uma caneta que se encaixa dentro da unidade. Além disso, pela primeira vez na linha DS, dois modelos de DS partilhavam um mesmo modelo de carregador de energia. 


Nintendo 3DS . 2011




Lançado em 2011, o Nintendo 3DS trazia como novidade o visor 3D que  gerava games em três dimensões sem a necessidade de óculos. O botão regulador 3D e o Sensor de movimento e sensor de giroscópio, que possibilitam que o jogador controle a intensidade do 3D e consiga movimentar e inclinar jogos compatíveis com os sensores. Ele também tinha melhor interatividade online, as câmeras tiravam fotos também em 3D e tinha recurso de realidade aumentada.


Nintendo 3DS XL . 2012




Nintendo 3DS XL .A Nintendo 3DS XL, lançado em 2012, tinha tela de 4,88 polegadas e uma inferior, sensível ao toque, de 4,18 polegadas (contra 3,53 e 3,02 polegadas do 3DS), além de 4 Gb de capacidade de armazenamento (o dobro do 3DS). Para não perder em autonomia, o aparelho também vinha com uma bateria maior, que garantia até seis horas e meia de gameplay em jogos 3D e até 10 horas, em jogos 2D. Por causa disso, o 3DS XL pesa 336 gramas — cerca um terço mais pesado que o antecessor. 


Wii Mini . 2012




Lançado em 2012 no Canadá, o Wii Mini chega como uma versão compacta e enxuta do Wii. No entanto, o console não traz recurso de wi-fi e também não tem retrocompatibilidade com jogos do Game Cube. O pacote vem com um Wii Remote e um Nunchuk na cor do console.


Wii U . 2012




Lançado em 2012 nos EUA, Europa e Japão, o Wii U é o mais novo console da Nintendo. Comporta vídeos FullHD (1080p) e tem como principal destaque o seu Gamepad, um controle com tela sensível ao toque embutida. Foi lançado nas versões de 8 GB e 32 GB.


Nintendo 2DS . 2013




Lançado em 2013, o Nintendo 2DS é um portátil que roda jogos do 3DS, mas sem o recurso 3D. Diferente do atual 3DS, o 2DS não é dobrável. Suas telas têm as mesmas dimensões das telas do Nintendo 3DS normal, mas a pegada lembra mais a de um tablet. O portátil tem duas câmeras que podem ser usadas para tirar fotos e gravar vídeos. Esse conteúdo poderá ser gravado em 3D, mas pra ver o resultado é preciso ter um 3Ds.



terça-feira, 23 de setembro de 2014

Todos os iPhones em um só GIF

O iPhone 6 foi lançado recentemente e já tem mais de 10 milhões de encomendas superando as encomendas das versões anteriores.

O gif abaixo mostra a evolução dessa franquia de celular e você pode deixar nos comentários qual você acha mais bonito ou sua apreciação sobre o assunto. 


Geralmente a postagem que explora somente as imagens saem aos finais de semana, porém tive que fazer esta postagem um pouco às pressas, mas espero que vocês gostem. O objetivo é saber a satisfação de todos quanto ao novo produto. 



segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Emma Watson e a campanha "He for She"




Nesse domingo, 21, a Emma Watson lançou, em parceria com a ONU, onde é embaixadora da Boa Vontade da Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres, a campanha “He for She”, que pretende fazer com que os homens passem, também, a lutar com as mulheres pela igualdade de gêneros.

Uma das mulheres mais apaixonantes de que se tem notícia, usou toda a sua influência que tem sobre homens e mulheres, de todas as idades, com uma proposta educativa, não combativa, em relação a igualdade de gêneros. “Eles por Elas”. Uma proposta que tenta mostrar pros homens que o feminismo não é exatamente o que fazem parecer, tanto homens quanto mulheres, mas sim uma luta justíssima pra colocar as mulheres no lugar delas: no meio dos homens, de outras mulheres, de todas as idades, de todas as cores. Sem diferença nenhuma.

Emma explica que da mesma maneira que as mulheres são discriminadas e tratadas com desrespeito em certas ocasiões, os homens também enfrentam a pressão social. 

A atriz fez um discurso emocionado e foi aplaudida de pé diversas vezes durante os 10 minutos que falou. 

Isso não é só um problema das mulheres, é um problema de direitos humanos é um problema de todos. Se você se compromete a tomar atitudes contra todas as formas de discriminação contra mulheres e garotas, entre para o movimento. Saiba mais sobre a causa clicando aqui. A causa pode ajudar a mudar o mundo.




quinta-feira, 18 de setembro de 2014

As melhores produções de terror brasileiras

Apesar da falta de investimento, divulgação e tradição –como nas produções Hollywoodianas – o mercado do terror nacional tem lá seus encantos.

Pensando nisso, o site CINECLICK listou as melhores produções do terror nacional. A lista você confere a seguir:

Isolados 



O filme traz Bruno Gagliasso e Regiane Alves como um casal que decide passar as férias em um sinistro Casarão na região Serrana do Rio de Janeiro. Ao longo do caminho, o psiquiatra Lauro ouve boatos de que a região estaria sob o ataque de perigosos assassinos. Ele resolve não contar sobre a história para a sua esposa, a fim de preserva-la. Mas ao chegar no sinistro local, percebe que os maníacos estão mais perto do que ele imagina. Suspense ao estilo O Iluminado. 



Quando Eu Era Vivo 



Muita gente não sabe, mas a cantora Sandy já protagonizou um filme de terror. Ao lado de Antônio Fagundes e Marat Descartes, ela terá que escapar das investidas de Junior, um homem que nutre uma obsessão pela moça e usará de terror psicológico para amedrontá-la.




Mar Negro 



Em Mar Negro o Capixaba Rodrigo Aragão explora o uso de seres mitológicos, que ganham uma roupagem mais trash, para compor o seu elenco de terror. No enredo, uma misteriosa mancha se espalha pelo mar e transforma inofensivos animais em monstros assustadores.





Encarnação do Demônio 



O mestre do terror Brasileiro José Mojica Marins, popularmente conhecido como Zé do Caixão, está disposto a encontrar a mulher perfeita para gerar seu filho. Decidido a cumprir sua missão, ele enfrentará qualquer obstáculo e desafiará as leis da natureza em um enredo cheio de cenas de tortura sanguinolentas de tirar o fôlego.





À Meia-Noite Levarei Sua Alma 



Teresinha quer cometer suicídio para voltar ao mundo dos vivos e levar o sádico coveiro Zé do Caixão, seu violador, para as profundezas do inferno.




Desaparecidos 



Produção no estilo Mockumentary, semelhante aos thrillers A Bruxa De Blair e Atividade Paranormal construídos de forma a parecer um documentário real, Desaparecidos acompanha a história do sumiço de um grupo de jovens após uma festa em Ilhabela. O longa é contado através das imagens das câmeras que eles usavam.




Porto dos Mortos 




Considerado um filme Cult por muitos, Porto dos Mortos mistura terror e Road Movie. O thriller é considerado um dos mais bem sucedidos do gênero no país. No enredo, um policial vai enfrentar diversos perigos em um futuro pós-apocalíptico para prender um serial Killer que pode ser o causador do fim da humanidade. Se você curte zumbis, o filme é uma boa pedida.




Bellini e o Demônio 




Segundo filme protagonizado pelo detetive Remo Bellini (Fábio Assunção), Bellini e o Demônio aborda o famoso Livro da Lei, do ocultista Aleister Crowley, considerado o homem mais perverso da Terra e idealizador da doutrina Thelemita. Se você curte filmes sobre o oculto, no mesmo estilo de A Chave Mestra e O Sacrifício, esse longa é uma boa pedida.




Morgue Story - Sangue, Baiacu & Quadrinhos



Adaptação da peça de mesmo nome, o longa reúne um vendedor de seguros, um médico legista e uma cartunista em um ambiente totalmente inusitado: Um necrotério.





Fonte: CINECLICK